Resenha/Comentário – Sombra

Depois de umas férias do blog finalmente a ultima resenha dos livros que comprei na Bienal, a continuação de Escuridão, Sombra.

SOMBRA Sombra (My Land #2)
 Elena P. Melodia – Suma – 340 pág

“Alma tenta, mas não consegue escapar de uma excursão da escola. Ao comparecer a uma exposição de fotografias com a turma, vê o retrato de uma menina idêntica a ela. Como pode uma sósia ser idêntica em TUDO até nas roupas? Morgan, seu melhor amigo, está desaparecido, mas colegas e família parecem não se dar conta. Seu comportamento é bastante estranho. Quando reaparece, ele marca um encontro com Alma num esconderijo subterrâneo debaixo de um velho aqueduto. O que ele quer contar a ela? Teria algo a ver com os assassinatos que ocorrem na cidade? E com as vozes na cabeça de Alma? E seriam todos estes mistérios indícios de algo ainda mais surpreendente sobre a própria origem de Alma e Morgan?”

“Quanta força tem um olhar, mesmo vazio?” -Pág 11

“Acho que nos dão um inicio, um ponto de partida. Dai em diante, a escolha é nossa. Tudo está em nossas mãos. A sorte e o azar estão ligados ao modo como agimos(…)” – Pág 137

“Interpretações geram expectativas, que por sua vez geram desilusão.” – Pág 287

Se o clima já era sombrio em  “Escuridão”, “Sombra” não se mostra nada menos sombrio. Logo no começo do livro Alma descobre uma garota idêntica a ela, uma “sósia”, porém não é apenas uma sósia. Ela continua a escrever assassinatos e mais que isso agora ela acaba por presencia-los.  Ao procurar o fotografo de sua sósia ela descobre que ela também tinha problemas.

Nunca tinha encontrado uma personagem com o meu nome, e nesse livro fiquei espantada quando li “Larissa” nas paginas do livro. Porém, é… não digo que gostei muito dela não. Larissa é a “sósia” de Alma filha do fotografo e que esconde um grande mistério.  Os mistérios ficam mais  “claros” nesse livro e entendemos o porque de no nome da série ser My Land.

Nesse livro Elena continua com a característica que mais gostei nela, não sei bem como descrever isso mas ela aborda assuntos reais, diria até curiosidades, coisas que tornam o livro mais enriquecedor culturalmente. Nesse livro ela fala sobre a memoria da água (uma propriedade, da mesma, usada em homeopatia) além da questão sobre a ligação entre irmãos gêmeos.  Além de falar sobre a vida em uma instituição para menores continuando o ocorrido com Agata no livro anterior, também continua a abordar o ocorrido com Naomi. Em fim ela continua a abordar assuntos fora do universo fantasioso.

Tenho de comentar do triangulo amoroso que se forma nesse livro, no inicio juro que gostava do Morgan mas mais pro fim do livro fui pegando raiva dele e comecei agostar do Adam. A relação entre os 3 também é um ponto alto do livro por ser uma relação bem complicada, sendo que Alma descobre ter muito em comum com Morgam mas ao mesmo tempo se sente ligada a Adam mesmo com tudo o que aconteceu no livro anterior.

O 3 livro da série “Luz” (“Luce” – Em Italiano) foi lançado no Brasil no finzinho de Janeiro.

Capa Luz.“Alma está em um quarto de hospital momentaneamente sem memória. Logo, porém, outros não vão se lembrar dela também: sua família, seus amigos, todos, exceto Adam. De volta em casa, agora querem descobrir o que aconteceu com Morgan. Como tornar-se completamente humana? E quem escolher, Adam ou Morgan?”

Esse ai da capa é o Adam? Não gosti não… vou continuar com o da minha imaginação. Mas gostei muito do efeito de água nesse livro tem bem haver com a historia, porém no geral as capas dessa série não são as mais bonitas. Então não julgue um livro pela capa porque vale muito a pena conhecer essa série, aguardo ansiosamente para ler “Luz”.