Resenha/Comentário – Sombra

Depois de umas férias do blog finalmente a ultima resenha dos livros que comprei na Bienal, a continuação de Escuridão, Sombra.

SOMBRA Sombra (My Land #2)
 Elena P. Melodia – Suma – 340 pág

“Alma tenta, mas não consegue escapar de uma excursão da escola. Ao comparecer a uma exposição de fotografias com a turma, vê o retrato de uma menina idêntica a ela. Como pode uma sósia ser idêntica em TUDO até nas roupas? Morgan, seu melhor amigo, está desaparecido, mas colegas e família parecem não se dar conta. Seu comportamento é bastante estranho. Quando reaparece, ele marca um encontro com Alma num esconderijo subterrâneo debaixo de um velho aqueduto. O que ele quer contar a ela? Teria algo a ver com os assassinatos que ocorrem na cidade? E com as vozes na cabeça de Alma? E seriam todos estes mistérios indícios de algo ainda mais surpreendente sobre a própria origem de Alma e Morgan?”

“Quanta força tem um olhar, mesmo vazio?” -Pág 11

“Acho que nos dão um inicio, um ponto de partida. Dai em diante, a escolha é nossa. Tudo está em nossas mãos. A sorte e o azar estão ligados ao modo como agimos(…)” – Pág 137

“Interpretações geram expectativas, que por sua vez geram desilusão.” – Pág 287

Se o clima já era sombrio em  “Escuridão”, “Sombra” não se mostra nada menos sombrio. Logo no começo do livro Alma descobre uma garota idêntica a ela, uma “sósia”, porém não é apenas uma sósia. Ela continua a escrever assassinatos e mais que isso agora ela acaba por presencia-los.  Ao procurar o fotografo de sua sósia ela descobre que ela também tinha problemas.

Nunca tinha encontrado uma personagem com o meu nome, e nesse livro fiquei espantada quando li “Larissa” nas paginas do livro. Porém, é… não digo que gostei muito dela não. Larissa é a “sósia” de Alma filha do fotografo e que esconde um grande mistério.  Os mistérios ficam mais  “claros” nesse livro e entendemos o porque de no nome da série ser My Land.

Nesse livro Elena continua com a característica que mais gostei nela, não sei bem como descrever isso mas ela aborda assuntos reais, diria até curiosidades, coisas que tornam o livro mais enriquecedor culturalmente. Nesse livro ela fala sobre a memoria da água (uma propriedade, da mesma, usada em homeopatia) além da questão sobre a ligação entre irmãos gêmeos.  Além de falar sobre a vida em uma instituição para menores continuando o ocorrido com Agata no livro anterior, também continua a abordar o ocorrido com Naomi. Em fim ela continua a abordar assuntos fora do universo fantasioso.

Tenho de comentar do triangulo amoroso que se forma nesse livro, no inicio juro que gostava do Morgan mas mais pro fim do livro fui pegando raiva dele e comecei agostar do Adam. A relação entre os 3 também é um ponto alto do livro por ser uma relação bem complicada, sendo que Alma descobre ter muito em comum com Morgam mas ao mesmo tempo se sente ligada a Adam mesmo com tudo o que aconteceu no livro anterior.

O 3 livro da série “Luz” (“Luce” – Em Italiano) foi lançado no Brasil no finzinho de Janeiro.

Capa Luz.“Alma está em um quarto de hospital momentaneamente sem memória. Logo, porém, outros não vão se lembrar dela também: sua família, seus amigos, todos, exceto Adam. De volta em casa, agora querem descobrir o que aconteceu com Morgan. Como tornar-se completamente humana? E quem escolher, Adam ou Morgan?”

Esse ai da capa é o Adam? Não gosti não… vou continuar com o da minha imaginação. Mas gostei muito do efeito de água nesse livro tem bem haver com a historia, porém no geral as capas dessa série não são as mais bonitas. Então não julgue um livro pela capa porque vale muito a pena conhecer essa série, aguardo ansiosamente para ler “Luz”.

Resenha/Comentário – Escuridão

Depois de uma sumida cá estou com mais um livro da Bienal, que já faz uns 3 meses que li (>.<“),  e como estou mega atrasada com as resenhas vamos lá!

Escuridão  (My Land #1)
Elena P. Melodia – Suma – 332 pág

“Alma tem 17 anos, e nada em sua vida difere das meninas de sua idade: escola, programas com seu grupo de amigas, tédio e impaciência na relação com a família. Até o dia em que vê um caderno roxo numa vitrine e, por puro impulso, o compra. A partir daí, acontecimentos horripilantes começam a se suceder. Todos descritos em detalhes nas páginas do caderno…antes de acontecerem. Com a letra dela. Que não se lembra de ter escrito nada. Quem é Alma, na verdade? Quem é Morgan, seu misterioso amigo de escola, que parece ter respostas para o que está acontecendo? E como impedir que as forças do mal se aproximem dela e de quem ela ama?”

“(..) sorrisos e lágrimas podem ser muito perigosos se ficarem fora de controle.” – Pág 10

“Mas o conceito de justiça também é, sempre e de todo modo, pessoal” – Pág 21

“Digerir pensamentos que não nos pertencem é muito mais fácil do que fazer o mesmo com os nossos” – Pág 34

“As vezes a vida nos coloca diante de opções muito difíceis. Nem todos fazem a escolha certa.” – Pág 304

Em Escuridão conhecemos Alma uma garota mimada, convencida e líder de um grupinho exclusivo no qual só se entra com aprovação dela e de suas amigas (Naomi, Seline e Agata).  Já peguei uma raiva tremenda dela logo nas primeiras paginas por ela ser muito cheia de si e extremamente convencida.  Porém ao longo do livro conhecemos a vida de Alma que inclui seu irmão, com quem tem uma péssima relação, sua irmãzinha, muda desde a morte do pai, sua mãe uma enfermeira dedicada e um estranho caderno roxo. Alma começa a escrever estranhos assassinatos, porém ela não sabe como ou porque eles acontecem. Ela irá descobrir que  é muito mais que apenas uma garota com problemas.

Vale ressaltar que a autora enrola muito e juro que até o final desse livro não sabia explicar do que se tratava o livro, porém isso não o torna massante pois ao longo do livro ela fala de varias situações da vida de Alma. Vemos a difícil relação de Alma com o irmão do meio Evan, com sua mãe e seu namorado. Uma coisa que eu gostei foi uma cena em que um casal Gay é descrito com naturalidade, também o fato de ser abordado a Anorexia e a Bulimia. Gosto de livros com conteúdo com coisas pra se levar além de uma boa historia e não me decepcionei com esse.

O livro tem uma boa pitada de mistério e talvez até um pouco de terror, aquele tipo de suspense que faz você querer ler tudo de uma vez pra entender o que acontece. Porém nesse livro não teremos muitas respostas. Nesse ponto posso compara-lo a série Fallen e adianto que não é menos surpreendente porém bem mais macabro.

Elena P. Mellodia é uma escritora Italiana e esse foi um dos motivos pelo qual o livro me interessou, é gostoso sair um pouco dos tradicionais livros americanos, e o ar do livro é claramente outro e acredito que mostre um pouco a realidade da escritora.

Resumindo vale muito a pena ler esse livro, não é um Best Seller, porém tem todo esse potencial e recomendo muitíssimo principalmente pra quem gosta de um livro mais “sombrio”.