Resenha/Comentário – Dezesseis Luas

Enrolei um pouco pra fazer a resenha desse livro pra aproveitar e falar da adaptação cinematográfica, e no fim acabei me enrolando e atrasando por causa da vida corrida. Mas mesmo assim, aqui vai o que achei do Livro e do Filme.

BEAUTIFUL_CREATURESDezesseis Luas (Caster Chronicles/ Beautiful Creatures #1)
Kami Garcia, Margaret Stohl
Galera Record – 490Pág

Ethan é um garoto normal de uma pequena cidade do sul dos Estados Unidos e totalmente atormentado por sonhos, ou melhor, pesadelos com uma garota que ele nunca conheceu. Até que ela aparece… Lena Duchannes é uma adolescente que luta para esconder seus poderes e uma maldição que assombra sua família há gerações. Mais que um romance entre eles, há um segredo decisivo que pode vir à tona. “

“Eu tinha 16 anos, estava me apaixonando por uma garota que não existia e estava ficando louco” – pag 13

“Homens. Vocês pensam que são o centro do universo. Talvez eu apenas goste daquele livro.” – Pag 96
“A história era uma merda às vezes.  A ente não pode mudar de onde é.  Mas ainda assim a gente não precisa ficar lá. A gente não precisa ficar preso ao passado (…)” – Pág 197

“É louco o que você vê quando não se está olhando.” – Pág 485

Em Gatlin todos se conhecem, todos são patriotas, antiquados, religiosos, pacata e normalmente chatos. Ou era isso que Ethan Wate achava até conhecer Lena.  Ethan perdeu a mãe em um acidente de carro, e o pai, pela perda da mãe, passa mais tempo em seu escritório que com o filho ou qualquer outra pessoa. Amma é quem cuida deles agora, como uma mãe. Ethan tem estranhos sonhos com uma garota, uma garota que ele nunca viu, até o rabecão preto do recluso da cidade deixar uma estranha garota na escola. Porém ele nem sabe o quão estranhas as coisas ainda vão ficar ao chegar perto dela.

O livro é muito complexo as vezes, pois somos apresentados a todo o mundo de Lena e dos conjuradores em meio ao romance dela com Ethan e a própria historia da cidade de Gatlin, além do fato de que Lena será escolhida pela Luz ou pelas Trevas em seu próximo aniversario. É um livro denso com muita informação para assimilar, porém de leitura fluida e rápida o tipico romance impossível e fantástico  Lena não é a garotinha fragil e bobinha que eu esperava encontrar nesse livro. Pelo contrario ela é muito irônica e as vezes até malvada com Ethan, e, a meu ver, ela foi muito bem interpretada no filme. Ethan… ah, ele já é um cavalheiro até bobo as vezes, mas ao longo do livro mostra o quanto é forte.  Gostei muito da questão tratada no livro em relação a como Lena é tratada pelas pessoas da cidade e como Ethan se esforça para não trata-la como os demais moradores da cidade. Como Ethan não quer ser mais uma das pessoas que moram em Gatlin e jugam Lena pela aparência e pelo que ouviram falar de seu tio.

Quanto ao filme, juro que gostei muito da adaptação, porém é claro mudaram bastante as coisas. Cortaram uma das cenas que eu mais gostava que era quando Ethan invade o escritório do pai, pra mim é a cena que mais mostra a força de Ethan. Também cortaram a música de Lena.  Não foi adaptada a comunicação por pensamento entre Lena e Ethan. O fato de Lena simplesmente ler o livro todo sozinha e Ethan ficar esperando. E claro a data do aniversario de Lena que foi alterada no filme.

Mas mesmo com tudo isso eu amei o filme, ficou maravilhoso, como filme. Adorei as cenas com o Mason, o quarto da Lena todo escrito (*—–*”) e a cena psicodélica de Ethan ficando louco tentando chegar a Ravenwood encantada por Mason. E mesmo tendo lido criticas sobre os efeitos especiais do filme, eu gostei muito da cena da mesa, da casa do Mason, dos efeitos dos olhos…

A série é composta por 4 livros, 3 já foram lançados aqui no Brasil, e até o momento ao que tudo indica Dezessete Luas (Beautiful Darkness) também vai virar filme. Só pra constar tenho que contar as 2 coisas que me fizeram ler esse livro. 1ª Florence and The Machine no Trailer! Ah, foi pedir para ser lido! Além claro da linda arte que se tornou o portão de Ravenwood. Espero em breve ler o próximo!

Resenha/Comentário – Sangue Quente

Nunca havia lido qualquer livro de zumbis, e mesmo com as criticas que ouvi de apaixonados por zumbis nojentos sobre esse livro fiquei com mais vontade de lê-lo ainda. E aqui vai o que achei dele.

SANGUE_QUENTESangue Quente – Isaac Marion
Leya – Pág256

R é um jovem vivendo uma crise existencial – ele é um zumbi. Perambula por uma América destruída pela guerra, colapso social e a fome voraz de seus companheiros mortos-vivos, mas ele busca mais do que sangue e cérebros. Ele consegue pronunciar apenas algumas sílabas, mas ele é profundo, cheio de pensamentos e saudade. Não tem recordações, nem identidade, nem pulso, mas ele tem sonhos. Após vivenciar as memórias de um adolescente enquanto devorava seu cérebro, R faz uma escolha inesperada, que começa com uma relação tensa, desajeitada e estranhamente doce com a namorada de sua vítima. Julie é uma explosão de cores na paisagem triste e cinzenta que envolve a “vida” de R e sua decisão de protegê-la irá transformar não só ele, mas também seus companheiros mortos-vivos, e talvez o mundo inteiro. Assustador, engraçado e surpreendentemente comovente, Sangue Quente fala sobre estar vivo, estando morto, e a tênue linha que os separa.

“Quando você chega ao fim do mundo, não importa muito que caminho pegou para chegar lá.” – Pág 16
“Todas as merdas que as pessoas fazem com elas mesmas… pode ser tudo por causa da mesma coisa, sabia? Apenas um jeito de afogar a própria voz.  Matar suas memórias sem ter de se matar.” – Pág 69
“O mundo sempre foi o mesmo, depende de você saber o que fará nele.” – Pág 123
“[…] quando se tem um peso destes na vida, ou você começa a ver as coisas de uma nova perspectiva, ou simplesmente afunda.” – Pág 185
“Mas que coisa maravilhosa não começou sendo assustadora?” – Pág 244

O livro é todo narrado por R, sim pelo zumbi, e é incrível pois ele fala muito pouco mas pensa muito profundamente principalmente sobre a vida, sobre estar vivo.  R não se lembra de nada sobre sua vida antes de se tornar zumbi, só lembra a primeira letra de seu nome. Os zumbis de Marion quando se alimentam de cérebros conseguem “ver” as memorias da pessoa que mataram. E é assim que R conhece Julie. Em um ataque R mata Perry, namorado de Julie, e ao ver as memorias de Perry ele sente um enorme carinho por Julie, e vontade de protege-la, salvando-a do ataque.

Ao longo do livro não vemos memorias de R, vemos as memorias de Perry, como ele era e quem ele se tornou, o que o cenário pós apocalíptico zumbi fez com ele, como desconstruiu seu sonhos até matar suas esperanças. Em contra partida conhecemos Julie pelos olhos de Perry, e aos poucos pelos de R, que se apaixona por Julie.

O livro é realmente muito lindo, juro que me impressionei muito com a historia com o ponto de vista, os questionamentos. O livro também faz referencias lindas a musicas antigas, R coleciona vinis, por achar o som mais “vivo” e muitas vezes se expressa pela musica. O livro também tem um ótimo toque de humor, porém por vezes utiliza-se de linguagem chula, mas nada que comprometa verdadeiramente a narrativa.

O filme inspirado no livro foi lançado no inicio de Fevereiro. Sobre a adaptação o que mais me irritou foi o titulo dado aqui no Brasil, enquanto nos EUA o filme foi lançado como mesmo titulo do livro (Warm Blood) aqui o titulo foi traduzido para “Meu namorado é um zumbi”. Sério isso é jogar bilheteria fora, pra mim isso já eliminou metade das pessoas que talvez focem ver o filme, sem nunca ter ouvido falar do livro.

Mas em fim o filme mantem o humor do livro, o tipo de linguagem, e no geral a história. Porém reduz muito da participação de Perry na narrativa, cortando assim muito do que o livro fala, toda a questão existencial que eu achei muito linda no livro. Não fica claro no filme também quem são os Ossudos (Bones), o que fica bem mais claro no livro.  E essa cena do livro junto com a de R no quarto da Julie lendo a musica Imagine me magoarão muito ao serem cortadas. Além claro de Perry não ter sido nada, e a mãe de Julie apenas uma citação.

O filme focou muito no romance de Julie e R, o que ficou muito legal na tela, mas cortou muito da historia de zumbi por trás desse romance.  Além de cortar a questão existencial que a historia passa tão lindamente no livro. O livro é relativamente curto em questão de páginas, e a adaptação ficou boa, porém poderia ter sido melhor, e ter abrangido um publico maior se a adaptação não tivesse apenas um foco.

Na questão existencial o livro me lembrou muito o livro A Hospedeira. Sangue Quente fala sobre a própria questão de vida e o significado dela já  A Hospedeira fala muito da questão de alma  [Leia mais aqui]. Porém ambas as obras se aproximam muito. Lembrando que o filme A Hospedeira chega as telonas no final do mês (29/03/2013).

No geral? O filme é muito legal, não é tão completo quanto o livro mas vale a pena ver. Porém o livro… esse é realmente de mais. Não que eu tenha me afeiçoado por zumbis depois de lê-lo, mas me afeiçoei muito por R e Perry além do próprio autor Isaac Marion, do qual estou realmente curiosa para ler outros livros.

Resenha/Comentário – Travessia

Começando as resenhas dos livros que comprei na Bienal, hoje vou resenhar um dos livros que estava mais esperando esse ano, a sequencia de DESTINO.

 Travessia – Ally Condie
 Suma – 280

Em busca de um futuro que pode não existir e tendo que decidir com quem compartilhá-lo, a jornada de Cassia às Províncias Exteriores em busca de Ky – levado pela Sociedade para uma morte certa –, mas descobre que ele escapou, deixando uma série de pistas pelo caminho. A busca de Cassia a leva a questionar o que é mais importante para ela, mesmo quando vislumbra um diferente tipo de vida além das fronteiras. Mas, à medida que Cassia tem certeza sobre o seu futuro com Ky, um convite para uma rebelião, uma inesperada traição e uma visita surpresa de Xander – que pode ter a chave para revolta e, ainda, para o coração de Cassia – mudam o jogo mais uma vez. Nada é como o esperado em relação à Sociedade, onde ilusão e traição fazem um caminho ainda mais confuso.

 

Porque quando você ama, não há o que fazer. Você ama e não tem como voltar atrás.” – Pág 52
E então eu penso: E  se eu tivesse que classificar a mim mesma? Me pergunto. O que eu veria?“-Pág 68
Então ela perguntou qual era a cor dos meus olhos. Naquele momento percebi que amar alguém era mais perigoso, mais como uma rebelião, do que qualquer outra coisa.” Pág 84
É lindo e é real, mas nosso tempo juntos pode ser tão efêmero como neve no planalto. Podemos tentar mudar o mundo ou simplesmente aproveitar ao máximo o tempo que temos.” – Pág 160
Não é saber escrever que faz você uma pessoa interessante – ele disse- é o que você escreve.” – Pág 200
Despedidas são assim. Nem sempre dá para distingui-las muito bem no momento da separação, por mais profundo que seja o corte.” – Pág 248

 

Eu já sou apaixonada por essa série, e juro não me decepcionei nem um pouco com a continuação de Destino.  O ritmo do livro é mais rápido que o  anterior, e a narrativa se alterna entre Ky e Cassia. Por isso nesse livro conhecemos mais sobre  Ky, sua vida e como se tornou uma aberração. Conhecemos as províncias exteriores e somos apresentados a mais mistérios da Sociedade.

Uma da coisas que eu mais gostei em Destino, é a questão de o livro ser basicamente um culto a arte, a forma de expressão por meio da arte.  Em Travessia não é diferente, ao conhecer novos personagens, muitos desses aberrações, vemos como a Sociedade suprime toda e qualquer forma de expressão, como muitas coisas simples se tornam belas quando raras.

Gostei muito da narrativa de Ky por finalmente entendermos a visão dele das coisas. Li varias resenhas onde os leitores se diziam desencantados com ele após conhecer sua visão. Eu já não alimentava muitas esperanças de Ky ser o príncipe encantado/herói perfeito, pelo contrario esperava exatamente o que vi dele: Inseguro e com muitas cicatrizes de tudo que já havia passado na vida. Pra mim, Xander sempre foi bem mais o príncipe encantado, e embora ele quase não apareça no livro me surpreendi com o rumo que o lado dele da história está tomando.

O livro termina com muitas duvidas, mais dúvidas que reais respostas, e juro que estou curiosa para saber como Ally vai conseguir finalizar a série no próximo livro.

Reached (Alcançar – Tradução Livre), o terceiro e ultimo livro da série, será lançado nos EUA em 13 de novembro de 2012, e tem previsão  para ser lançado aqui no Brasil no final do 1º semestre de 2013.

Quanto ao filme, como já havia comentado na resenha de Destino, a Disney já detêm os direitos para adaptar a série para as telonas, porém a novidade é que finalmente a Disney assumiu que irá fazer adaptação, inclusive já escolheu os roteiristas Michelle e Kieran Mulroney  (Sherlock Holmes: A Game of Shadows)  e até o momento tem como diretor cotado para dirigir a adaptação David Slade (A Saga Crepúsculo: Eclipse). Espero que isso seja um sinal de que a Disney realmente quer abocanhar o publico jovem saindo um pouco dos clássicos desenhos que a consagraram (Mas não muito adoro os desenhos da Disney). E que isso a leve a produzir alguns outros filmes que detêm os direitos de adaptação, como a série A Mediadora de Meg Cabot.

Resenha de Destino:

Bom aguardamos novos capítulos, e espero que essa competição das grandes produtoras resulte em ótimas adaptações cinematográficas de livros que já são maravilhosos. Mas até lá, continuemos com os livros.

Resenha/Comentário – A Hospedeira

Sim faz décadas que não posto, mas em fim quando o animo vem eu apareço! ;D~
Hoje vou falar de um dos últimos livro que eu li (Na verdade já fazem 2 meses que li), A Hospedeira – Stephenie Meyer, sim a mesma autora de Crepúsculo, mas para os Dráculas de plantão deem uma lidinha antes de reclamar, ok?  ;]

A Hospedeira – Sthephenie Meyer
 Intrínseca – 557 pág

Em um mundo perfeito, sem guerra, sem raiva, sem brigas, sem doenças… O nosso mundo, em um tempo diferente. Os humanos ainda estão nele, mas agora nossos corpos são habitados por alienígenas, que se autodenominam “almas”.  Porem alguns humanos ainda persistem eles são chamados de “selvagens”, Melanie Stryder foi um deles, até algum tempo. Agora Melanie tem dentro de si uma “alma” chamada Peregrina (Wanderer).  Mas Melanie não quer deixar Peregrina ter o controle, ela não quer desistir de seu corpo, de seu irmão, seu amor, sua vida, de quem ela é.  Porem Peregrina também não quer desistir desse mundo. Quando duas almas habitam um mesmo corpo elas podem encontrar muito mais em comum do que imaginam.

“(…) mas só porque a gente quer que uma coisa seja verdade, isso não faz que seja assim” – pág 220

“Às vezes é difícil ser justa. Nem sempre nós sentimos as coisa certa, fazemos a coisa certa.”- pág 275

“Não é o rosto, mas as expressões nele. Não é a voz, mas o que você diz. Não é a sua aparência neste corpo, mas as coisas que você faz dentro dele. Você é bonita.” – pág 350

Um livro realmente maravilhoso, não só pelo ponto de vista da historia, a qual é impossível (depois de 200 páginas) você não mergulhar. O livro é extenso porem não prende o leitor logo nas primeiras paginas, acho que essa é a minha única critica, antes de realmente ler esse livro comecei duas vezes e parei pouco depois das 100 páginas. É muito devagar, mas vale à pena insistir, pois a historia compensa.

Ao longo da historia vamos conhecendo mais sobre esse mundo dominado por alienígenas, sobre como eles são muito diferentes daqueles que vemos em filmes como “Guerra dos Mundos” ou “Marte Ataca”. Não posso deixar de falar que pra mim esses alienígenas são “bonzinhos” no geral, e quando você vai conhecendo-os é difícil não pensar que no fim eles queriam o melhor apesar de não ser da forma certa. Mas em fim a história não se foca no mundo, ela se foca nas duas personagens principais Melanie e Peregrina, e na relação entre elas.

Eu gostei muito da Peregrina (Wanderer) , por ela ser ingenua, eu adoro personagens ingênuos! Tão pura e ao mesmo tempo tão forte inteligente e vivida. Ela tem o nome de Peregrina por já ter vivido em outros hospedeiros antes de Melanie. Melanie é uma garota forte, e incrivelmente ligada ao irmão e a Jared o amor da vida dela. E bom eu poderia falar de Ian… mas ai já é spoiler de mais! ;D~

Ao ler o livro é impossível não refletir sobre a condição humana, sobre a forma de pensar e sobre o conceito de alma e carne.  E claro que um bom romance leva agente fundo no quesito “almas gêmeas” e temos também amor intergaláctico. Outra coisa que eu sempre gostei muito em “Crepúsculo”, e no conto dela em “Formaturas Infernais”, é a criatividade que a Stephenie Meyer tem, digam o que quiser sobre vampiros que brilham eu gosto sim de como ela realmente viaja na maionese nos livros dela, e defendo autores de fantasia por isso, adoro como é possível viajar tão longe e falar de sentimentos tão realmente humanos! (/Momento defesa a literatura fantástica xD)

Como todo mundo já sabe no dia 22/03 saiu o primeiro teaser trailer da adaptação cinematográfica desse livro, antes do comentário vejam:

Fotos:

    

A atriz que vai vier a Melanie/Peregrina (Wanderer) é a  Soirse Ronan, que eu conheço pela interpretação em “Um Olhar do Paraíso”. Fiquei muito feliz quando soube que ela faria o papel, acho realmente que ela está à altura das personagens (Bem mais que uma certa asinha ai… u.u”).

Realmente o que me deu animo pra superar as 500 paginas do livro (Que há quase um ano tava encostado na minha estante) foi  o inicio das gravações do filme e duas amigas minhas que me falaram que o inicio era meio parado mesmo, e agora, como sempre acontece comigo, eu quero logo o filme!!! Que tem estreia prevista para 29/03/2013!

O Teaser já me animou muito, adorei mesmo, achei lindo, e quando vi fiquei arrepiada. Agora espero que o filme seja digno do livro, que é realmente lindo e profundo para quem gosta de “sentir” (porque interpretar pra mim é uma palavra muito técnica). E  é uma historia muito gostosa para simplesmente desligar um pouco.

Em fim deixe seus preconceitos de lado e leia!

Já terminei de ler “A Batalha do Apocalipse” – Eduardo Spohr, e espero logo postar a resenha dele. Só não garanto que seja logo, porque agora tenho que pegar firme nos livros do vestibular, mas sempre acho um tempinho pra escapar para as paginas de um livro fantástico!

Mais em:
http://www.thehostbrasil.com/
http://up-brasil.com/?p=106158

Dica: Orgulho e Preconceito – Jane Austen

E vamos a um post falando de “Orgulho e Preconceito”, uma das obras mais conhecidas da escritora Inglesa, Jane Austen. Conheci a obra pela adaptação cinematográfica de 2005 e me apaixonei pela historia, e hoje espero inspirar os que ainda não conhecem essa linda história a conhecê-la .

“Orgulho e Preconceito” retrata a história de Elizabeth Bennet e Fritzwilliam Darcy (Mr. Darcy *—*), se passando em 1797 mostra a família Bennet que conta com 5 filhas, mas nem um herdeiro, uma mãe ambiciosa e que deseja a qualquer custo fazer um casamento vantagioso para suas filhas a fim de não ficar na miséria após a morte de seu marido. A história começa quando um rico cavalheiro, Sr. Bingley, vai junto de suas irmãs, cunhado e amigo passar uma temporada em Netherfield causando alvoroço na casa dos Bennet.  Jane, a filha mais bela e mais velha, se encanta por ele e ele por ela. Porém o melhor amigo de Bingley, Sr. Darcy, mostra-se um cavalheiro orgulhoso e preconceituoso no pouco tempo que compartilha com todos em Netherfield, e principalmente ofendendo a Elizabeth.

Ao longo da história varias reviravoltas aproximam e afastam Elizabeth e Darcy (contra e a favor de suas vontades ^^), assim como Bingley e Jane, contando com as irmãs mais novas de Elizabeth que são o espelho da mãe que desejam para si casar-se bem, alem de serem alvo de vários cavalheiros. E com um pai muitas vezes parecendo uma peça de decoração. O grande prazer da história é toda a forma como o conceito do leitor, junto com o de Elizabeth, muda em relação a si, a Darcy e a sua família. É uma deliciosa história que é travada muito mais no conceito que cada personagem tem do seu parceiro e de si mesmo, como por muitas vezes o Orgulho não nos deixa seguir nosso coração e como o Preconceito nos cega, deixando de ver como ninguém é igual a outro alguém, e como nem uma história tem apenas uma versão.

Bom, a linguagem do livro é um pouco mais difícil pela época em que o livro foi escrito, mas nem por isso a história é menos proveitosa ao leitor. Uma vez que mesmo o livro sendo antigo amor nunca envelhece, não é mesmo? ^^
Cenas lindíssimas, de um romantismo raro em livros e na vida atualmente.

Quanto às adaptações do livro para a TV e Cinema, nem uma é 100% fiel ao livro, mas nem uma delas deve algo a ele. São adaptações maravilhosas, dignas do livro realmente. E ilustram melhor o momento histórico, de uma forma que a meu ver não fica tão visualmente descrito no livro.

A série da BBC de 1995, conta com 6 episódios de adaptação muito fiel ao livro. Ficou famosa por consagrar Colin Firth recebendo vários prêmios por sua atuação como Mr. Darcy, e sendo mais recentemente premiado como Melhor Ator por sua interpretação no filme Discurso do Rei (2010).

Gostei muito da adaptação, muito mesmo, é linda e juro que fiquei na duvida de qual Mr. Darcy mais gosto (xDD). Em fim a qualidade da imagem não é tão boa quanto a da adaptação mais recente, porem conta com cenas adaptadas fielmente e lindas, e as poucas que foram alteradas se encaixam perfeitamente no conjunto da obra (Cena do encontro de Darcy e Elizabeth, quando ele acaba de nadar no lago #dica).

O filme de 2005 tem como interprete de Elizabeth Bennet, Keira Knightley (Piratas do Caribe), com tempo bem mais reduzido que a série da BBC não conta a história com tantos detalhes, mas ainda assim encanta.

Essa adaptação foi meu primeiro contato com a história de Orgulho e Preconceito, e o que me fez apaixonar pela história, já vi esse filme pelo menos umas 20 vezes. E sim perdeu um pouco a graça de depois de ler o livro, não porque seja ruim, mas porque dá pra sentir bem os cortes, mas ainda assim é um dos meus filmes favoritos, por sempre me fazer lembrar da história completa.  E claro porque adoro o meu outro Mr. Darcy, que nessa adaptação é interpretado por Matthew Macfadyen. *————*”
Para quem for assistir essa versão, recomendo procurarem pelo final alternativo (Não sei se no DVD daqui tem, mas em fim no youtube tem ;D~), pois a meu ver a versão simples acaba de um jeito muito “ahhhh, já???”, já o final alternativo, é fofinho de mais (Mas o do livro é melhor ;P).

Em fim o livro também tem mais varias adaptações:
Uma americana de 1940(sim em preto e branco) , porem essa eu não assisti ainda, e quem sabe um dia néh? Porque 1995 já foi um bom salto néh? (quem falar da minha idade apanha ;P).[+aqui]

E outra de 2004 com o titulo de “Noiva e Preconceito” sendo uma versão moderna de Orgulho e Preconceito. Onde Elizabeth é uma jovem Indiana e Darcy um americano preconceituoso sobre a cultura indiana. [+aqui]

Entre varias outras em cinema, televisão e teatro… [+aqui]

Mas seja qual você escolher, eu realmente recomendo de todo o coração essa história linda que é um deleite para os olhos e para os corações.
E claro para todas as mulheres que estão à procura de cavalheiros, nada melhor que conhecer Mr. Darcy.  ;D~

E pra quem já conhece a historia, recomendam ou não recomendam? Por quê?
E aos que não conhecem espero tê-los inspirado. ^^

Percy Jackson – Livro X Filme X Quadrinhos

Olá pessoas tudo bom?
Como prometido vou atacar de critica (ai meu deus!) mais uma vez e fazer a comparação das versões do 1 livro da série Percy Jackson e os Olimpianos – O Ladão de Raios, para Graphic Novel (quadrinhos) e para a Versão Cinematográfica.

Para os perdidos (sim eles sempre existem, ^^) vai aqui uma ajudinha:

“Primeiro volume da saga Percy Jackson e os Olimpianos, O Ladrão de Raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia antiga. Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.
O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos – jovens heróis modernos – terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.”

Bom agora já situados vamos as criticas.
Bom eu admito que o que me fez ler o livro foi o filme, que mesmo sendo muito pobre em relação ao livro consegue passar um pouco do “ar” que a história tem, e claro eu ter ganhado o livro de presente de uma grande amiga minha (tks Naty). ^^

Vi o filme uma vez antes de ler o livro e outra depois de ler, e depois que você lê, o filme que antes parecia mais ser bem comprido (bom 120 min não é pouco) passa a ser um resumão muito cortado. Sabe até entendi alguns cortes uma vez que na época não havia sido confirmado uma sequencia para o filme (que agora foi confirmado com lançamento previsto para Março de 2013) , o que eu não perdoei foi o corte de Clarice da trama, sabe não sou o maior fã da personagem mas senti a falta dela, e claro a maravilha que foi termos uma Annabeth castanha ao envés de loira, mas em fim a atriz é bonita dá pra perdoar. Temos também cortes quanto ao Oráculo que é substituído por conselhos de Luke, nada também do nosso querido Ares (Deus da guerra e Pai de Clarice), nada de Cronos também. E tem mais um monte de coisas que foram cortadas e mudadas no filme. E no final? No fim a pessoa errada leva a culpa. Mas claro que tudo termina bem, mas eu realmente estou ansiosa para saber como eles vão lidar com todos esses “cortes” e mudanças para o 2º filme da série. Pois creio que agora ou eles decidem que vão fazer a série toda, e vão concertar algumas tesouradas que deram no primeiro filme, ou vão fazer mais uma adaptação apenas de “mundo” e trabalhar com uma trama separada. Eu particularmente torço para a primeira solução, uma vez que quero muito toda a série no cinema! [Aqui]

Quanto a adaptação para os quadrinhos… Booom não gostei muito do Percy versão quadrinhos! Mas continuando a adaptação ficou mais fiel que a do filme, mas não é exata.  Temos Cronos, Temos Clarice, Temos Ares (Gosti bastante dele versão quadrinhos xDD), Temos Oráculo !  A mim o que ficou mais evidente que faltou na adaptação foi o fim a falta do “desabafo” do Luke que é uma das partes que eu mais gosto no livro, mas já tinha ficado acostumada a ficar sem ela depois do filme. Nessa adaptação temos a pessoa certa levando a culpa!  E a versão quadrinhos vai ter continuação (O Mar de Monstros) já prevista para lançamento nos EUA 28 de Fevereiro, e o seguinte (A maldição do Titã) prevista para o 2º sem de 2012 , ambas sem previsão para o Brasil ainda [Aqui].

No geral gosto muito de adaptações de livros para o cinema, mesmo com algumas belas tesouradas, adoro ver o filme e lembrar de algum momento do livro, sem contar que é uma ótima forma de divulgação atraindo mais leitores para séries. Admito que em alguns momentos fico um tanto brava com os cortes, e sempre que saio do cinema fico com aquela sensação de que foi curto de mais (mesmo quando o filme tem mais de 2h de duração), mas ainda assim gosto muito de adaptações, ver os personagens “vivos”.

Quanto aos quadrinhos é apenas a 2ª adaptação que vejo, sendo que a primeira foi a de Crepúsculo ( A qual talvez, logo eu faça um comparativo como esse), e no geral gostei muito mesmo com os cortes, e gostei de ver os desenhos principalmente pensando que teve a supervisão do escritor. É uma boa forma de ver como o escritor vê seus personagens, talvez não 100%, mas algo bem próximo disso.  Além de ser mais uma boa forma de atrair leitores que antes eram intimidados pelas mais de 300 paginas que o livro tem!

Bom é isso! Gosto muito da série Percy Jackson e agora da série Heróis do Olimpo, ambientada no mesmo mundo, e como qualquer bom fã quanto mais oportunidades de relembrar nossos “amigos de paginas” melhor!

E ai o que vocês acharam tanto do filme quando dos quadrinhos em relação ao livro?

Resenha/Comentário – Destino

Oi pessoal, tudo bom?
Minha ideia era postar essa resenha no dia 10, mas bem a faculdade ja voltou com a corda toda! xD
Bem vamos ao que interessa.

 Destino (Matched) – Ally Condie
Suma das Letras – 240 paginas

Em Destino a sociedade decide o que você come, o que você veste, como se diverte, como trabalha, com quem você casa.

Cassia acaba de completar 17 anos e acaba de receber seu par, seu velho e querido amigo Xander. Tudo parece perfeito como a sociedade sempre planejou até que a imagem muda e ela vê Ky. Um garoto calado, e sensível . Mas quem seria seu verdadeiro par Xander ou Ky? A sociedade diz que é Xander, mas Cassia tem suas duvidas. Estaria ela disposta a arriscar a segurança de sua sociedade planejada pela sua escolha? E mesmo que esteja, a sociedade estaria preparada para aceitar sua escolha?

O livro é realmente maravilhoso. Tem toda aquela busca épica de todo romance, mas também tem um desejo de liberdade de direito de escolha. Gostei muito também da sociedade proposta, suas regras e a forma como ela funciona tão bem. O Livro também tem umas cenas lindas como quando Ky ensina Cassia a escrever cursivo . E tem também a questão dos 100 melhores que é o que eles aprendem e como a civilização anterior a deles dita como fracassada, é mantida como segredo.

É uma série então são mais 3 livros o próximo de titulo Crossed ( Cruzando ) tem lançamento previsto para Novembro de 2011 nos EUA, e aqui no Brasil ainda sem previsão.

Durante toda a minha leitura ouvi basicamente 4 musicas (sim eu tenho o hábito de ler e ouvir musica) e bem, como pra mim combinou de mais as musicas com o clima todo do livro fiz uma lista de reprodução, com o BookTrailer e mais as 4 musicas. Que você pode assistir/ouvir aqui! (As musicas são do Woodkid na ordem: Iron, Brooklyn, Baltimore’s Fireflies e Wasteland)

Ou ver só o BookTrailer:

Também a vai sair filme (#Todosvibram!) a Disney já comprou os direitos de produção (#Todoschoram!) . Bem quanto a essa informação, vale a pena lembrar que não é o primeiro direito de produção cinematográfica de livros que a Disney compra, e se levarmos em consideração que já faz um boooom tempo que eles estão com o direito de Fallen e de A Mediadora, da pra ver que não vai sair logo. Poxa Disney, vamos agilizar néh? xDD

Mas em fim, pretendo sim ler os próximos.
No momento estou lendo o Aura Negra, segundo volume da série Academia de Vampiros.

Entradas Mais Antigas Anteriores