Resenha/Comentário – Cinquenta Tons Mais Escuros

Depois de uma década de lido, finalmente a resenha da continuação de Cinquenta Tons de cinza.

 
CINQUENTA_TONS_MAIS_ESCUROS Cinquenta Tons Mais Escuros (50tons#2)
EL James – Intrínseca – Pág 512

“Assustada com os segredos obscuros do belo e atormentado Christian Grey, Ana Steele põe um ponto final em seu relacionamento com o jovem empresário e concentra-se em sua nova carreira, numa editora de livros.  Mas o desejo por Grey domina cada pensamento de Ana e, quando ele propõe um novo acordo, ela não consegue resistir. Em pouco tempo, Ana descobre mais sobre o angustiante passado de seu amargurado e dominador parceiro do que jamais imaginou ser possível. Enquanto Christian tenta se livrar de seus demônios interiores, Ana se vê diante da decisão mais importante da sua vida.”

Depois de ter ficado traumatizada com 50 Tons (Sim, eu não gostei dele logo que li, e é comparado aos outros 2 é péssimo), demorei cerca de 3 meses pra pegar para ler esse livro. E juro, é ótimo! Quem desistiu no primeiro respire fundo e pegue o segundo.

O problema da série é que ela foi vendida como se foce pornografia, e no fim não é exatamente isso. O livro tem sim cenas pesadas, mas o foco dele muito dificilmente é isso. A coisa toda é bem mais o psicológico da relação de Christian e Ana e dos problemas dessa relação. O que um espera do outro, e os “limites rígidos” de cada um.

E é bem isso que vamos ver em Cinquenta Tons Mais Escuros, Christian percebe que Ana é mais importante para ele que seus limites, suas regras e seu controle. Mas ele poderá se livrar de seu passado? E mais ainda, de seus 50 tons?
Conhecemos algumas de suas ex-subs, e a relação que ele tem com elas. Entendemos mais como e porque Christian é assim e até onde vai a gravidade das marcas que ficaram nele.

No livro é abordada a relação que Christian teve com Elena (Msr. Robson) e como é a relação entre eles ainda.  Como foi a infância de Christian e porque ele é tão fechado e porque acha que não merece o amor da família, de Ana e até de si mesmo. E isso é mostrado logo no prologo do livro que foi é logo muito emocionante e mostra a mudança do tom do livro 1 para esse.

[!Spoilers!]Algumas cenas se destacam muito no livro, e não to falando (só) das sexuais: A cena que mais gostei no livro é o choque de Christian quando acha que vai perder Ana de novo. E também quando encontra Leila com Ana, e como ele cuida dela. Juro que entendi muuuuiiiitttooo o ciumes dela. E claro não posso deixar de falar de como quase morri do coração quando o Charlie Tango cai. E dos últimos capítulos do livro quando Elena é desmascarada pela Senhora Grey!

Tenho de comentar o quanto gostei também do emprego da Ana! Ela é assistente do editor, e futuramente editora, de uma editora de livros! Pra quem me conhece sabe que é o meu sonho de emprego! Outra coisa que gosto de ressaltar é como esse livro é mais rico em conteúdo, um pouco mais é, principalmente nas partes onde são sitadas musicas quanto na citação de livros e trechos de outros livros.

Mudando o rumo da conversa gostaria de comentar e esclarecer (até onde eu já entendi né) o fato de Cinquenta Tons ter começado como uma FanFic. Para quem não sabe FanFic é uma historia escrita por um fã baseada em um livro, filme, série que ele gosta. Muitas, como a de E L James, fogem e muito do original. Já outras são continuações de histórias (Como é o que eu escrevo em “Não Tão Breve”). Cinquenta Tons começou como uma fanfic de Crepúsculo com o nome de “Masters of The Universe” (Diga-se de passagem: Que titulo não?), onde Bella era uma estudante de Jornalismo e Edward um playboy charmoso. Resumidamente Bella era Ana e Edward, Christia. E a fanfic tinha todo o apelo sexual que a série tem. E como algo publicado na internet foi comprado e vendido pela editora? Por comunicações oficiais as historias tem um fundo parecido porém são completamente distintas. Já, pelo que dizem as más-línguas, 89% da obra publicada é igual a fanfic escrita por E. L. James.

 
Aproveitando pra mostrar as peças de 50 tons da minha coleção de “coisas” de livros:
182174_4285869828478_1484251554_n[1] 534052_4761656842856_1726760870_n[1]
Em fim pra quem não gostou do primeiro livro, vá ler o segundo. Garanto é bem, aliais é muito, melhor!

CINQUENTA_TONS_DE_CINZA

Resenha/Comentário – Cinquenta Tons de Cinza

Vamos falar do fenômeno, e polêmico, sucesso literário do ano.

CINQUENTA_TONS_DE_CINZA Cinquenta Tons de Cinza – E L James
  Intrínseca – Pág 455

“Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja, mas em seus próprios termos.”

 

Juro que ainda não sei dizer se gosto ou não desse livro, é um livro pesado, é um livro erótico, e gostei muito de uma expressão que li sobre o livro é um Mommy Porn.  E opinião e bafafa sobre esse livro foi o que mais li e ouvi desde que terminei de ler esse livro há uns 3 meses.

Mr. Grey é o sonho de qualquer mulher logo a primeira vista, misterioso, rico (Me chianguem o quanto quiser mas sem todo o dinheiro que tem não realizaria metade do que faz nesse livro, a menos que foce muito criativo.) e com um fortíssimo Sex Appel(?)! É impossível não se sentir atraída por Grey, mesmo em cenas que não são necessariamente quentes, ele emana sedução.

Todo o processo de divulgação do livro é claro que ajudou e muito a vende-lo. Cinquenta tons já chamava a atenção pouco antes da Bienal de 2012 porém foi na mesma que fiquei morrendo de vontade de conhecer esse novo fenômeno.

estandeintrinseca  Greynabienal

Essas fotos são do estande da editora que utilizou como maior publicidade o livro e ao lado o evento que ocorreu no ultimo dia da Bienal com um ator vestido de Christian Grey.  Na Bienal não comprei o livro, mas trouxe alguns panfletos com o primeiro capitulo e marcadores. Pra que?! Só o primeiro capitulo já fiquei encantada com o Mr. Grey.

Porém voltando ao livro depois de todo esse encanto você vai realmente conhecendo Grey, o clima do livro e no geral a pornografia do mesmo. Criticas que eu tenho desse livro são bem simples, o livro não tem um conteúdo propriamente dito é realmente um Mommy Porn, um livro para você ler porque quer se desligar um pouco de sua vida. Talvez tenha sentido muita falta de conteúdo nesse livro pois tinha acabado de ler Escuridão e Sombra (Elena P. Melodia) e ambos são muito ricos em conteúdo. Outra coisa que me irritou foi a linguagem chula,  quem me conhece sabe que não gosto de linguagem chula em livros, em alguns pontos (“I don’t make love. I fuck…hard”) é necessário, mas em outros não vejo necessidade.  Porém nada grave.

É uma leitura gostosa, simples e que se desenrola com facilidade com foco, claro, nos momentos de sexo entre Ana e Christian. O ponto polemico do livro é  o sadomasoquismo de Christian, o gosto dele por assim dizer. Além de toda a brincadeira erótica entre eles. A parte que eu gostei do livro foi o drama psicológico de Ana que é totalmente inocente (e virgem) ao conhecer Christian e se vê envolvida em todo o erotismo e sadomasoquismo dele. Além da duvida de quem é Mr. Grey e porque ele é assim, visivelmente avesso a qualquer relação mais profunda do que apenas “fuck hard” com ela (xDD).  Tem muito de romance entre tudo isso, meio enrolado, meio medroso e torto mas é um romance.  É quando você vê a paixão mudando um pessoa (^^). Me incomodou muito a submissão imposta por Christian a Ana, e o fato de ela aceitar, entendo, juro que entendo mulher apaixonada faz cada tonteira (u.u”), mas me incomodou de mais. Mas em fim esse é o drama.

Outra coisa que quero comentar é a reação que vi das pessoas quando me viam lendo esse livro, desde “Você está lendo isso?”, passando por “Você tem idade pra ler isso?”, a apenas sorrisinho irônicos e comentários “Safadinha…”. Demorei menos de uma semana pra ler esse livro e juro que todo dia tinha um que me enchia. E percebi que a maioria eram homens. Não sou nenhuma super-feminista pelo contrario sou na verdade uma defensora dos poucos homens cavalheiros ainda existentes, porém percebi que eles se sentem intimidados por mulheres que procuram uma leitura desse gênero até comentar com eles é engraçado porque eles ficam meio perdidos (risos).

Como não achei BookTrailer desse livro vale uma musica que, pra mim, combinou muito com o livro.

 

Gosto de falar de fenômenos por isso tem muito assunto! Mas em fim, vou guardar mais um pouco para o próximo volume. E para quem sente medo de ler, ou ser visto lendo, um livro com essa fama deixe eu avisar: O livro não morde e o “Index” já foi abolido a muito tempo. Vale a pena conhecer, e se conhecer em um ponto mais “sexual” seja homem ou mulher. E livro nenhum é proibido, proibido é julgar sem realmente ler!