Não Tão Breve – Cap1


Não Tão Breve

~Cap 1

Senti quando ele partiu meu corpo em pedacinhos, eu não gritei ou pelo menos não me ouvi gritar.

Achei que aquilo era a morte depois da morte, a morte para um vampiro, ter a mente vagando eternamente, em anos seria torturante não ter mais em que pensar, talvez fosse o castigo pelas muitas vidas que tiráramos.
Acho que foi a primeira vez que pensei em Deus desde que me transformara, tentava me concentrar nas lembranças que tinha dele lembranças turvas, mas agora eu tinha a eternidade para pensar para tentar me lembrar do que a sede não deixava antes. Me veio a mente uma lembrança que eu nunca soube que havia existido me lembrei de minha mãe, ela tocando minhas pequenas mãos e as colocando uma contra a outra e se ajoelhando ao meu lado, não conseguia me lembrar das palavras mas sabia que ela falava só pude me lembrar da ultima palavra “Amém”. Quando a repeti ela pegou minha pequena mão mais uma vez colocando-a levemente na minha testa, depois no meio do peito, no meu ombro esquerdo e depois no direito, repetindo algumas palavras as quais eu também não me lembrava.Fiquei revisando aquela lembrança como se fosse um filme antigo a repetindo desde o começo até o fim, embora eu o fizesse repetidas vezes não conseguia me lembrar com mais detalhes.

Eu tentava fazer meus pensamentos vagarem lentamente para talvez me torturar menos me lembrei da primeira noite que vi Diego ou pelo menos a primeira vez que o notei. Senti uma dor forte em algum lugar que talvez eu imaginava ser meu coração, logo me senti triste pela minha situação de eternamente vagando pela minhas proprias lembranças. Como vampira tinha certeza que nunca iria para um lugar sequer próximo ao paraíso, mas ainda assim tinha uma esperança de encontrar Diego, para onde quer que eu fosse quando chegasse ao fim.

Ainda imersa em meus pensamentos perdi a atenção quando me veio um pensamento súbito, era mais um lembrança, mas esta diferente das outras era de minha vida de vampira. Era a sensação da chuva.Um pingo, o outro, depois o outro, logo estava sentindo uma chuva levemente forte, podia sentir ela molhando, me molhando toda. Mas como? Meu corpo não existia mais.Mas eu sentia a chuva em cada ponto do meu corpo, foi quando comecei a procurar minhas mãos, as mexi, ou pelo menos senti as roçar na terra úmida, mas podia ser mais uma lembrança.

Finalmente procurei minhas pálpebras,encontrei mas pareciam muito mais pesadas, as forcei a abrirem, elas relutaram mas abriram revelando um céu cinzento cheio de nuvens e também as gotas de chuva vindo em minha direção.Corri os olhos, sem mexer nada alem deles,em meu campo de visão vi que estava no mesmo espaço aberto onde conheci o clã dos olhos amarelos e também os Volturi.

Mas o que me fez ter certeza de que ainda não havia sido destruída foi a sede ela estava forte como se não me alimentasse a semanas.Sentei-me estava completamente molhada, olhei para cada parte do meu corpo procurando algo que faltasse. Nada não encontrei nada, apenas as marcas em meus pulsos, braços, pernas e pés o que indicava que eu havia sido estraçalhada por Felix como Jane mandara. Mas eles não me queimar, por que? Minhas roupas uma hora longas foram reduzidas a uma regata e um shorts, rasgados com violência de mal jeito e incrivelmente rápido.
Olhei envolta, estava toda suja de cinzas as quais pude ter certeza pelo cheiro que eram de vários do exercito de Riley.O fogo já se extinguira grassas a chuva que insistia em cair.

A queimação em minha garganta começava a ficar insuportável me fazendo perder a linha de raciocínio de qualquer coisa que eu tentasse pensa. Pus-me em pé com rapidez e antes que pudesse estar consciente eu já corria para o leste, quando senti o cheiro o cheiro doce de sangue, minha consciência se desligou. Quando ela voltou vi que já terminava de sugar o sangue de um jovem de mais ou menos 20 anos de idade e já havia o feito o mesmo com sua companheira que me parecia mais nova. Fora algo muito rápido pois não pude ouvir nem um grito. Soltei o corpo dele deixando-o cair ao lado da mulher, me afastei agora com a sede já mais contida, o que me deixou pensar melhor.

O que os havia levado a me deixar inteira? Felix me estraçalhou, as marcas em meu corpo provavam isso mas porque não me queimara como mais uma do exercito de Riley? E se ele tivesse tentado? Meu corpo estava em um lugar que antes fora uma das fogueiras onde eles queimavam, mas eu não queimara. Naquele momento me veio a mente, a chuva. A chuva era forte o que extinguira as chamas. Então eu não queimara não por falta de atenção dos Volturis mas por um golpe de sorte da natureza.

Sorte? E agora, o que eu era? Uma vampira solitaria que não conhecia as regras do mundo o qual vivia a quase 4 meses. O que eu faria agora? Pensei no Clã dos olhos amarelos, poderia ir até eles e dizer que estava “viva” talvez eles ainda me ajudassem como Carlisle havia disposto. Mas me veio a mente a figura dos Volturis, eu não queria mais cruzar com eles e não queria arrumar problemas para aqueles que salvaram minha “vida” uma vez.Primeira opção descartada.

Me veio a mente Diego, senti sua falta queria descobrir que ele também estava “vivo”, mas ele não tivera a mesma sorte que eu, Riley o torturara para descobrir tudo que eu sabia e que ele também. Senti uma raiva imensa, tristeza, pânico e por fim calmaria. Me conformei quando imaginei Riley queimando junto com minha criadora junto com os muitos recém-nascidos que eles enganaram como fizeram comigo, Diego e Fred. Fred? Ele me esperava em Vancouver ainda? Não sabia quanto tempo havia demorado para me recompor e poder voltar a ter consciência disto. Decidi que iria procurá-lo, olhei mais uma vez para o casal analisando a mulher, ela devia ser um pouco mais alta que eu e seu tipo físico também não era muito maior, cavai duas covas com rapides e enterrei primeiro o rapaz depois despi a moça e a enterrei também.

Corri até um rio que ouvira ao longe, me vi refletida na água, eu estava muito suja me limpei com rapidez o que me fez ver vaias outras marcas em meu corpo, havia sido mais espedaçada do que imaginara. Coloquei as roupas da mulher, elas serviram perfeitamente. Olhava meu reflexo na água eu era tão linda quanto as outras vampiras que eu já havia visto. E agora, limpa, podia me ver com clareza, acreditava que chamaria menos atenção assim.

Me virei para o norte e comecei a correr, iria em direção a Vancouver para procurar Fred.

~.~.~

By: Lara Polix

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: